Área do Associado:

Esqueci minha senha

Newsletter

Adicionar Remover

Agenda

Associe-se

Associe-se

Notícias

Cardiologista defende redução do sal em outros alimentos além do pão
O presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia defendeu esta quinta-feira o alargamento da legislação para a redução de sal a outros grupos alimentares, nomeadamente produtos de charcutaria e bacalhau, em prol de uma melhor saúde cardiovascular dos portugueses.

"A legislação devia abranger, essencialmente, tudo o que é produtos de charcutaria, extremamente ricos em sal, que além de aumentar o risco de hipertensão e de Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC), também é uma das causas de cancro do estômago e também agrava as doenças respiratórias, como a asma", disse à agência Lusa Manuel Carrageta.

"Uma refeição muito rica em sal numa pessoa que seja predisposta pode desencadear uma crise de asma", exemplificou o cardiologista, que falava à Lusa a propósito da entrada em vigor há um ano (12 de Agosto) do decreto-lei que define que o teor máximo de 1,4 gramas de sal por 100 gramas de pão.

Manuel Carrageta adiantou que outro problema na alimentação dos portugueses é o bacalhau, que deve ser muito mais demolhado.

Contudo, o especialista disse que estas medidas de saúde pública têm de ser "graduais". "No fundo o problema do sal é um problema das nossas papilas gustativas. Se nós reduzirmos 20 por cento de sal nos alimentos, não nos apercebemos porque em dois ou três meses habituamo-nos a esse nível de sal".

Para o presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), "estas medidas de saúde pública são muito importantes. Ainda por cima, não custam dinheiro e reduzem a hipertensão e o número de AVC"

Publicado: 15/08/2011
Sindipães | Sindicato da Industria de Panificação e Confeitaria do ES

Endereço

Rua Rosa Vermelha, 700, Novo México, Vila Velha/ES
Telefones: 27 3319-1995 – 3063-3095
Celular VIVO – 27 9 9792-9671
Celular TIM – 27 9 8184-0888 / 9 8184-0607
E-mail: secretaria@sindipaes.org.br

Rede Social

Site desenvolvido por Tribo Propaganda