Área do Associado:

Esqueci minha senha

Newsletter

Adicionar Remover

Agenda

Associe-se

Associe-se

Notícias

As sacolas e o CNJ
Em apertada maioria, de apenas um voto, prevaleceu no STF (Supremo Tribunal Federal) que o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) continuará a fiscalizar juízes. Isso aparentemente pode não ser nada demais, mas representa, na prática, um forte golpe contra o corporativismo existente na magistratura. Nesse sentido é a afirmação do ministro Gilmar Mendes, que asseverou: "Até as pedras sabem que as corregedorias [locais] não funcionam quando se trata de investigar seus próprios pares", no que concorda o também ministro Joaquim Barbosa: "As decisões do conselho passaram a expor situações escabrosas no seio do poder judiciário nacional", e que, por esse motivo, houve "uma reação corporativa contra o órgão que vem produzindo resultados importantíssimos no sentido de correção das mazelas".

Para ganhar adeptos, o outro lado lançou ampla campanha dizendo que queriam acabar com a liberdade dos juízes para julgar e que isso poderia violar até mesmo o Estado Democrático de Direito. Bobagem. Juízes, antes de serem magistrados, são seres humanos, falíveis como todos nós, meros mortais. E ainda que sejam uma minoria, não é justo que os maus se escondam atrás da toga.

A semelhança com a discussão sobre a utilização das sacolas plásticas nos supermercados é inevitável, pois não vejo nenhuma campanha para que a indústria alimentícia, por exemplo, deixe de utilizar plástico nas suas embalagens como meio de preservar o meio ambiente. Porque a grande vilã da natureza é a sacolinha do supermercado? Será que proibindo a sacola plástica o ar ficará mais puro, os lixões desaparecerão e os rios ficarão limpos? Evidente que não.

A proibição apenas significa que o mercado onde você faz compras terá uma redução nas despesas, e mais nada. Nada contra aumentar o lucro, só não concordo com o prejuízo ao consumidor, que será inegavelmente prejudicado. Ora, se todos os supermercados se unirem e não mais distribuírem as sacolinhas, como carregaremos nossas compras?

Eu acreditaria na boa intenção dos que se dizem preocupados com a defesa ambiental se igualmente boicotassem a aquisição de produtos armazenados ou transportados em embalagens plásticas, ou de qualquer outro derivado de petróleo. Sem isso, tudo é balela.

Espero que quando o STF apreciar a constitucionalidade da lei que proíbe as pobres sacolinhas, prevaleça o mesmo bom senso que houve na votação em favor do CNJ.

Fonte: A Gazeta 

Publicado: 08/02/2012
Sindipães | Sindicato da Industria de Panificação e Confeitaria do ES

Endereço

Rua Rosa Vermelha, 700, Novo México, Vila Velha/ES
Telefones: 27 3319-1995 – 3063-3095
Celular VIVO – 27 9 9792-9671
Celular TIM – 27 9 8184-0888 / 9 8184-0607
E-mail: secretaria@sindipaes.org.br

Rede Social

Site desenvolvido por Tribo Propaganda